Med, o início da época dos festivais

Como não poderia deixar de ser, marquei presença naquele que é para mim um dos melhores eventos algarvios, o Festival Med, em Loulé, que celebrou a sua 15ª edição este ano.

Já o disse várias vezes mas volto a frisar: o Med é um dos festivais com melhor ambiente que conheço. Não que os outros não o tenham, atenção, mas por ser um conceito tão diferente dos restantes festivais de música que se realizam por todo o país. A começar pelo estilo de música, pelo lugar onde se realiza e terminando nas pessoas que o frequentam. Famílias, jovens, crianças e até  pelos louletanos mais antigos, que não perdem uma festa da cidade.

Este ano o S. Pedro não ajudou muito e infelizmente outras obrigações não me permitiram ir todos os dias como é costume mas vamos falar da música. Uma das coisas que me dá mais prazer no Festival Med é descobrir novos artistas e novos estilos de música. A verdade é que música comercial ouvimos em todo o lado e às vezes queremos algo diferente, algo novo e que vá de encontro ao nosso humor, no meu caso, por exemplo.

O meu espetáculo preferido foi sem dúvida o da Morgane Ji, no Palco Cerca. A minha atenção ficou completamente presa nesta artista exótica. Além da originalidade musical, gostei especialmente da autenticidade que me transmitiu. Já a atuação do grupo La Pegatina foi muito animado, num registo completamente diferente.

Mais um ano, mais uma edição e, como sempre, mais uma agradável surpresa, que só pecou por ter sabido a pouco. Até 2019!